quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Dar a Mão e Dia dos Voluntários DVT - Fundação Telefônica

Parceria da Associação Dar a Mão e Fundação Telefônica no Projeto para Dia dos Voluntários DVT 2017 em Curitiba/ PR


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

RESULTADO DO CONCURSO DE DESENHO 2017

A terceira edição do Concurso de Desenho sobre Igualdade nas Diferenças da Associação Dar a Mão teve seu encerramento e divulgação do resultado final neste domingo, dia 03 de dezembro, em São João do Ivaí, com a premiação dos 10 alunos finalistas.

Participaram neste ano do concurso alunos de duas escolas particulares de Londrina, um colégio estadual de Ivaiporã, além das escolas municipais e estaduais de São João do Ivaí, num total de mais de 600 desenhos enviados à Comissão Julgadora.

O desenho vencedor foi da aluna Annie Vitória de Sousa Moura - 5. ano "A" - Escola Ética, de Londrina. A aluna terá seu desenho como estampa das camisetas da Associação Dar a Mão e ganhou muitos prêmios, tais como 1 kit de desenho, doação da Pimpolho Presentes, 1 vale compras de R$ 100,00, doação do vereador Robson Pereira, e 1 pelúcia do personagem Nemo, doação da Advocacia Fuganti de Londrina. 


DESENHO VENCEDOR: NOVA ESTAMPA DAS CAMISETAS
Annie Vitória de Sousa Moura - Escola Ética de Londrina


Receberam medalhas os 3 desenhos mais votados, sendo os outros 2:


Alicia Negrão Lopes - 4. ano "A" 
Escola Pilares  - Londrina

Bianca Caetano Antunes - 6. ano "A" 
Colégio Estadual Idália Rocha - Ivaiporã


Todos os alunos finalistas receberam Certificado de Finalista e um prêmio da Associação Dar a Mão.

Confiram todos os desenhos entre os 10 melhores:



Finalistas - Concurso de III Desenho sobre Igualdade nas Diferenças da Associação Dar a Mão 



Ana Lara de Araújo Frese - Pré I 


Centro Municipal de Educação Infantil Vovó Bárbara  - São João do Ivaí



Ana Luisa Pires de Carvalho  - 2. ano "A" 
Escola Municipal Monteiro Lobato - São João do Ivaí



Eduarda Testa Antunes - 6. ano "A"
 Colégio Estadual Arthur de Azevedo - São João do Ivaí




Geovana Moreira - 6. ano "A" 
Escola Estadual José de Mattos Leão  - São João do Ivaí




João Vitor Corsino - 4. ano "A" 
Escola Municipal Zacarias Góes e Vasconcelos  - São João do Ivaí




Rafael Batista Bárbara  - 6. ano 
Colégio Estadual Idália Rocha - Ivaiporã




Rafael Oznidarsic Montanha - 4. ano "A" 
Escola Municipal Tancredo Neves


Confira as fotos do evento de premiação na página do Facebook da Associação Dar a Mão:

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Premiação do Concurso de Desenho 2017


Convite: Convidamos a comunidade e população de São João do Ivaí e região para este evento especial da Associação Dar a Mão:

🔺 Evento: Premiação do Concurso de Desenho sobre Igualdade nas Diferenças da Associação Dar a Mão

Data: 03/12/2017
Horário: a partir das 19h00
Teatro Banestado em São João do Ivaí


10 Finalistas - Concurso de III Desenho sobre Igualdade nas Diferenças da Associação Dar a Mão 

Alicia Negrão Lopes - 4. ano "A" - Escola Pilares  - Londrina

Ana Lara de Araújo Frese - Pré I - Centro Municipal de Educação Infantil Vovó Bárbara  - São João do Ivaí

Ana Luisa Pires de Carvalho  - 2. ano "A" - Escola Municipal Monteiro Lobato - São João do Ivaí

Annie Vitória de Sousa Moura - 5. ano "A" - Escola Ética

Bianca Caetano Antunes - 6. ano "A" - Colégio Estadual Idália Rocha - Ivaiporã

Eduarda Testa Antunes - 6. ano "A" - Colégio Estadual Arthur de Azevedo - São João do Ivaí

Geovana Moreira - 6. ano "A" - Escola Estadual José de Mattos Leão  - São João do Ivaí

João Vitor Corsino - 4. ano "A" - Escola Municipal Zacarias Góes e Vasconcelos  - São João do Ivaí

Rafael Batista Bárbara  - 6. ano - Colégio Estadual Idália Rocha - Ivaiporã

Rafael Oznidarsic Montanha - 4. ano "A" - Escola Municipal Tancredo Neves

(Nomes na lista em ordem alfabética)


- Informações
A Premiação do Concurso de Desenho sobre Igualdade nas Diferenças da Associação Dar a Mão edição 2017 será realizada no dia 03 de Dezembro em São João do Ivaí, cidade sede da Associação Dar a Mão, em um evento muito especial no Teatro Banestado.

A data foi escolhida por um motivo também especial: no dia 03 de dezembro é comemorado o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, data que busca ampliar a inclusão dessas pessoas na sociedade. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), aproximadamente 10% da população mundial possui algum tipo de deficiência.

O Concurso foi realizado este ano nas escolas de São João do Ivaí, Londrina e Ivaiporã.

O desenho vencedor será escolhido como estampa das camisetas da Associação Dar a Mão e os 10 desenhos finalistas receberão premiação e homenagem.


Participe!
Apoie esta causa!


Link do evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/126028648078246/?ti=as

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Reportagem sobre o II Encontro Nacional de Agenesia de Membros, Familiares e Pessoas com Deficiência - TV Globo




AGENESIA DE MEMBROS, quem conhecia antes esta condição? 
Uma causa esquecida, invisível, mas que hoje se destaca 
como a luta para unir e consagrar centenas de pessoas e famílias.


Reportagem sobre o Encontro que comemora 2 anos da Associação Dar a Mão: uma celebração com um evento mais que especial, unindo famílias de crianças com Agenesia de Membros, pais, voluntários, pesquisadores e apoiadores desta rede de solidariedade. 

Um parabéns com a presença marcante da RPC - Jornal Paraná TV 2. Edição da Rede Globo.

30 de Setembro de 2017 - 
II Encontro Nacional de Agenesia de Membros, Familiares e Pessoas com Deficiência.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

CAMPANHA DAR A MÃO

Vídeo da Campanha

DOAÇÕES PELO LINK:
http://juntos.com.vc/pt/daramao

A Associação Dar a Mão é uma entidade sem fins lucrativos que surgiu pela união da vontade de pais e amigos que buscavam oferecer melhor qualidade de vida a seus filhos(as) e para pessoas com Agenesia de mão.

Por meio dos modelos de design e-Nable, abriu-se a possibilidade de fazer o dispositivo de apoio 3D, personalizados em super heróis e personagens infantis, que trouxe motivação, principalmente para crianças.

Assim, a Associação Dar a Mão continua pesquisando com voluntários multiprofissionais para atender o maior número  de usuários de dispositivo.

Como resultado, a entidade já entregou mais de 20 dispositivos 3D e recebeu o selo do Prêmio  Sesi ODS 2017 pela prática realizada.

O trabalho é realizado em parceria com o Núcleo de Pesquisa de Tecnologia Assistiva do Programa de Pós-Graduação da PUC.

Agora, precisamos da sua ajuda!  A Campanha Dar a Mão está buscando recursos para atender as famílias que esperam uma Prótese 3D pela Associação Dar a Mão. Faça sua doação aqui:

ACESSE O LINK E COLABORE!
http://juntos.com.vc/pt/daramao

Saiba mais assistindo ao Filme Institucional da Associação Dar a Mão:


terça-feira, 5 de setembro de 2017

domingo, 27 de agosto de 2017

II Encontro Nacional de Agenesia de Membros, Familiares e Pessoas com Deficiência


Participações muito especiais no II Encontro de Nacional de Agenesia de Membros, Familiares e Pessoas com Deficiência da Associação Dar a Mão: profissionais da área da saúde, direito, educação, esporte adaptado, lazer, tecnologia assistiva e engenharia, designer, próteses 3D, inclusão social e educacional, acessibilidade, oficinas de recreação, brincadeiras e muito mais!

Uma programação para pais e crianças, profissionais, acadêmicos e voluntários relacionados com agenesia de membros! Além da participação das famílias da Associação Dar a Mão - que são a motivação de todo este trabalho!

👍 Data: 30 de Setembro de 2017
INSCRIÇÃO ABERTA: https://goo.gl/UMeEjd

Endereço: Rua Padre Anchieta, 2540, Bigorrilho, Curitiba - PR. Auditório do Champagnat Office, 4. Andar.

(*) Para os inscritos e credenciados no evento, receberão a certificação de participação de até 8 horas para frequência mínima de 80% pela UFPR.

sábado, 26 de agosto de 2017

Associação Dar a Mão no Programa Encontro com Fátima Bernardes

Presidente da Associação Dar a Mão, Geane Poteriko, e a filha Dara participam do Programa Encontro com Fátima Bernardes, Rede Globo, dia 15/08/2017




Assista no Globo Play: https://globoplay.globo.com/v/6079363/programa/

"Mãe se inspira em deficiência da filha para criar e distribuir próteses"


IMAGENS

Geane, Dara e Fátima Bernardes

Exibição da matéria da Rede Globo RPC-PR no programa

Participação no Programa - Imagem da telinha TV

No Programa, Geane Poteriko explica sobre próteses 3D

Interação com os convidados do Programa


Dara, ainda assustada com as câmeras    :-)


Close de mãe Geane e filha Dara

Presidente e Fundadora da 
Associação Dar a Mão,
Geane Poteriko




domingo, 30 de julho de 2017

Reportagem TV Assembleia Legislativa PR

Reportagem  da TV Assembleia Legislativa / PR sobre a Associação Dar a Mão


19/06/2016

Palestra na Assembleia Legislativa PR

Palestra na Assembleia Legislativa PR


(Texto: Geane Poteriko) 

"A Associação Dar a Mão é uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de fornecer apoio aos familiares e às crianças e adolescentes com AGENESIA, afetados pela Síndrome da Brida Amniótica ou outros tipos de malformações de membros ou doenças raras.

A motivação para a fundação desta entidade foi a necessidade de criar uma estrutura de apoio organizada, direcionada a familiares e indivíduos com agenesia de membros ou nascidos com malformações congênitas.

Percebe-se no Brasil uma ausência de políticas públicas de apoio e suporte especificamente para casos de agenesia; há também pouca informação disponível.

Desse modo, quando nasce uma criança com agenesia, a família raramente é acolhida, orientada e inserida em programas para acompanhamento e interação com outras famílias, o que na maioria das vezes leva ao isolamento desta família e a consolidação de inúmeros dilemas trazidos pelas dúvidas e questionamentos sobre diagnóstico e possibilidades de tratamentos.

Um exemplo deste contexto é a história de Dara, minha filha, hoje com 3 anos, que nasceu com agenesia de mão causada pela Síndrome da Brida Amniótica. A agenesia foi descoberta apenas após o parto, apesar de ter sido feito todo o acompanhamento durante o pré natal.

Quando Dara nasceu, além do susto causado pela ausência da mão direita, a falta de explicações e orientação sobre o que havia acontecido foram fatores agravantes. Como mãe, me senti sozinha e desamparada, assim como todas as mães que passam por esta experiência.

Para ter um diagnóstico, passei por vários médicos. Então criei uma página na internet e mães de todo o Brasil começaram a entrar em contato e enviar e-mails compartilhando também suas histórias, destacando o quanto se sentiam isoladas pela falta de informação e orientação.

Assim surgiu a ideia de criar uma rede de apoio para estas famílias, por meio de uma Associação.

A sede da ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO fica em São João do Ivaí. Em parceria com a Prefeitura Municipal, temos uma sala onde está funcionando o Laboratório de Impressão 3D.

Em Ivaiporã, no Consórcio Intermunicipal de Saúde da 22ª Regional, e em Curitiba, na PUC-PR Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas, a ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO também possui parceria para atendimento.

A IMPRESSÃO 3D COMO RECURSO EM TECNOLOGIA ASSISTIVA O uso de impressoras 3D para fabricar próteses já vem sendo testado com sucesso por ONGs de outros países. Surgiu como uma alternativa revolucionária em virtude dos elevados preços de próteses no mercado e da falta de variedade que marcam o setor no Brasil.

O projeto da ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO para produção de dispositivos protéticos feitos em impressora 3D foi elaborado pela doutora em engenharia da PUC-PR, Lúcia Miyake, em parceria com o Núcleo de Pesquisa Produtos Orientados para Tecnologia Assistiva.

O projeto conta com a equipe da Comissão de Acessibilidade do Lions Clube Curitiba Batel, equipe do Rotary Club de São João do Ivaí, além de um grupo de voluntários de diferentes localidades do Brasil.

Uma equipe multidisciplinar foi montada na PUC-PR para dar suporte ao projeto, incluindo profissionais da área da Saúde, engenheiros, especialistas em tecnologia assistiva e voluntários de diversas áreas de atuação, que somados aos demais voluntários da entidade, prestam auxílio de forma solidária.

Mais de 20 crianças, adolescentes e adultos de diferentes estados do Brasil receberam a doação dos dispositivos protéticos e seguem em acompanhamento na reabilitação.

É importante destacar que quando a criança nasce com ausência ou malformação de membro, naturalmente aprende a realizar todas as atividades à sua própria maneira. Mas em algumas situações a dificuldade pode ser mais acentuada.

As próteses de membro superior disponíveis no mercado ou entregues pelo SUS não são capazes de repor a função do membro perdido, apresentam altos índices de rejeição, são inadequadas para o uso infantil por serem pesadas, além do fato terem elevados custos (sendo inacessíveis à maioria da população brasileira) e não acompanharem o crescimento da criança.

No caso dos dispositivos protéticos feitos em impressora 3D, os modelos são inspirados em super heróis, personagens e temas de interesse da criança, o que aumenta a motivação e auxilia também psicologicamente a criança a entender que a sua deficiência física não é sinônimo de incapacidade ou motivo para sentir vergonha ou se tornar "inferior". Pelo contrário: as crianças que recebem um modelo 3D imediatamente apresentam melhorias físicas e emocionais, inclusive na execução de atividades básicas do dia a dia com mais independência.

As próteses feitas por impressão 3D estão possibilitando a deficientes físicos, em especial às crianças, a recuperação da autoestima e qualidade de vida.

Outro aspecto importante é com relação à estimulação muscular: ao utilizar um dispositivo 3D, a criança passa a exercitar e estimular regiões do corpo, como o braço e a mão com agenesia, antes utilizados com menor frequência devido às próprias características da malformação congênita. Esta estimulação pelo uso do dispositivo protético 3D previne a atrofia muscular.

Não há custos para as famílias beneficiadas, os dispositivos protéticos 3D são produzidos e entregues gratuitamente.

Falando em políticas públicas de atendimento às crianças e pessoas com agenesia, destacamos que:

- É necessário ampliar o acesso e a qualidade dos serviços de saúde prestados, incluindo ações de qualificação dos serviços existentes, além da criação de implantação de Centros Especializados em Reabilitação, vinculados aos serviços de reabilitação física da Rede SUS.

- Qualificação das equipes de atenção básica: Preparação de profissionais da área da saúde e afins para atender adequadamente casos de diagnóstico de agenesia ou doenças raras durante a gestação, ou ainda acolher de forma apropriada casos diagnosticados apenas após o parto, garantindo o bem estar da mãe e da criança, bem como encaminhamento adequado para acompanhamento profissional.

- Regulamentação da obrigatoriedade por parte dos hospitais públicos e privados do registro e da comunicação imediata dos recém-nascidos com agenesia de membros ou doenças raras às instituições, entidades e associações especializadas.

- Implementação de Serviços para Inclusão Social na cidadania: serviços de orientação e acompanhamento.

Por fim, destacamos que o Paraná tem mostrado visível progresso na implementação dos apoios necessários ao pleno e efetivo exercício da capacidade legal por todas as pessoas com deficiência. O empenho na equiparação de oportunidades para que a deficiência não seja utilizada como impedimento à realização de sonhos, desejos e projetos, assim como a valorização do protagonismo.

A Agenesia pode ser uma condição rara, mas não deve ser invisível."  (
Geane Poteriko) 


19/06/2017 - ALEP

Reportagem Rede Globo

Reportagem sobre a Associação Dar a Mão na Rede Globo, Paraná TV Primeira Edição. 

Exibição em 11/07/2017, RPC.


"O mundo está nas mãos daqueles que têm a coragem de sonhar 
e de correr o risco de viver seus sonhos". (Paulo Coelho)


http://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/filha-inspira-mae-a-criar-associacao-que-faz-proteses-para-pessoas-que-nao-tem-maos.ghtml


TEXTO DA MATÉRIA:

Filha inspira mãe a criar associação que faz próteses para pessoas que não têm mãos


Geane Poteriko, de São João do Ivaí, no norte do Paraná, é mãe da Dara, que nasceu sem uma das mãos. Grupo usa impressoras 3D para criar as próteses, que são enviadas para todo o país.
Por RPC Maringá - 11/07/2017


Uma mãe de São João do Ivaí, no norte do Paraná, criou uma associação que faz próteses gratuitas para pessoas que não têm as mãos. Foi pensando em ajudar a filha, a pequena Dara, que nasceu sem uma das mãos, que Geane Poteriko construiu uma rede de pesquisadores e voluntários que contribui para melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas.

A prótese é resultado da batalha incansável da mãe. Desde que a filha nasceu, Geane passou a buscar respostas. Descobriu que a menina teve a Síndrome da Brida Amniótica, que provoca no feto a má formação de alguns membros, também chamada agenesia.

A partir do diagnóstico ela foi em busca de soluções, e viu que era possível fazer próteses usando uma impressora 3D.

A pequena Dara ganhou a dela há poucos meses, porque precisava completar 4 anos. Ao ver os progressos da filha a mãe já se sente realizada. “A gente sabe até onde vai o amor de uma mãe pelo seu filho. É esse amor que motiva o nosso trabalho”, explica.

Antes mesmo da filha, Geane passou a ajudar outras pessoas, ao montar a Associaçao "Dar a mão", que fornece próteses de graça para adultos e crianças de todo o país.

Tudo é coordenado por uma equipe de pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Curitiba, que desenvolve próteses de baixo custo, para garantir a inclusão social.

“Uma criança com uma prótese que a gente desenvolve, ela consegue andar de bicicleta, tocar violão”, afirma o coordenador de Engenharia de Produção e Sistemas PUC, Osires Canciglieri.

Para a pesquisadora Lúcia Miyake, se cada um doar um pouquinho da sua habilidade, é possível melhorar a situação de várias pessoas. “Talvez, diminuir a limitação dela, e dar melhor qualidade de vida”, pontua.

E tem muita gente se doando, todos voluntários. O grupo que atua em São João do Ivaí é só uma pequena parte da rede de solidariedade que se formou no país, para ajudar as pessoas que precisam de uma prótese.

Atualmente, são mais de 100 voluntários espalhados pelo Brasil. Médicos, engenheiros, enfermeiros, fisioterapeutas, donas de casa. Cada um fazendo uma pequena parte: lixando, montando, até chegar na prótese em si. Como a usada pela Dara.

“A maioria da ajuda que nós recebemos, é com o serviço. Então, essas pessoas se dispõem a doar parte do seu tempo para poder nos atender. Nós temos um banco de dados, onde nós conectamos as pessoas que precisam do atendimento aos profissionais que estão dispostos a atender”, explica Geane.

Foi assim que o voluntário Rodrigo Pirozzi chegou até a estilista Talita Caroline Bento, que queria uma prótese. Os dois moram em Maringá, e não se conheciam.
“Eu mandei um e-mail geral para a associação e eles me responderam falando que tinham um associado que era próximo da minha casa. Em seguida, o processo foi super rápido”, conta a estilista.

A impressora que Rodrigo usa é resultado de uma vaquinha que fez entre amigos. Ele trabalha em casa, nas horas vagas. Para fazer uma prótese, são necessárias 30 horas.

“A satisfação de ver a pessoa ali... o primeiro sorriso que ela dá a hora que coloca o dispositivo na mão, é gratificante demais”, diz o voluntário.
Para Talita, o Rodrigo deu a ela o melhor que podia dar: o tempo. “É um gesto muito bonito dele e de todos que se dedicam. Não tem como agradecer”, declarou Talita.


Fila de espera
Atualmente, cerca de 100 pessoas aguardam uma prótese de mão. O estudante Osni Ferreira é uma delas.

“Acredito que dentro de dois meses [receberá a prótese], devido ao dedo que eu tenho na mão, vai ser feita uma modelagem exclusiva”, comemora.
Osni se viu tão acolhido, que também passou a ajudar a associação. “Eu costumo dizer que aqui é a minha segunda família, não tem explicação, assim, para dizer o apoio, o carinho, o respeito que eu tenho de todos da associação”, afirma.

Quem quiser ajudar ou tirar dúvidas sobre as próteses, pode entrar em contato pela página do Facebook da Associação "Dar a Mão".

https://www.facebook.com/associacaoda...

sábado, 27 de maio de 2017

Petição Online: Agenesia nos Quadrinhos

Pedimos a todos o apoio para esta causa:

ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO SOLICITA AO INSTITUTO MAURÍCIO DE SOUSA A CRIAÇÃO DE UM PERSONAGEM COM AGENESIA PARA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS


Ser diferente é normal.  As diferenças fazem parte da beleza da vida. A diversidade é um conceito que deve ser ensinado às crianças nos diversos círculos sociais - na escola, pela família e na convivência diária.

Quando se trata de uma deficiência física,  crianças têm  curiosidades,  perguntam, buscam compreender à sua maneira, pelos olhos de criança, as diferenças  que estão vendo.

Ao nascer ou adquirir uma deficiência física,  toda criança procura por identidade, busca firmar-se para aprender a conviver com suas diferenças com naturalidade. E, acima de tudo, para ensinar as outras crianças ao seu redor a verem esta deficiência sem distinção ou preconceito - com respeito.

A Agenesia de membros é a malformação de partes do corpo, como dedos, mãos, braços,  pernas. São milhares de crianças que possuem esta condição física. Mas, infelizmente, é pouco divulgada na sociedade. Trata-se de uma condição rara e desconhecida.

As mães,  pais e familiares que fazem parte da Associação Dar a Mão solicitam a sensibilização e apoio do Instituto Mauricio de Sousa em campanha de conscientização sobre a causa "Agenesia de Membros".

Pedimos a criação  de um personagem que represente as crianças afetadas por esta condição física, que nascem com ausência ou malformações de membros.
Assim, nesta mobilização, queremos mostrar às demais crianças que a ausência de uma mão ou braço não limita ou torna incapaz. Pelo contrário:  as crianças com Agenesia são tão habilidosas e podem fazer absolutamente tudo, como todas as pessoas!

A Associação Dar a Mão  é uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de fornecer apoio aos familiares e às crianças e adolescentes com agenesia, afetados por doenças raras. Tem a finalidade de conscientizar e sensibilizar sobre as diferenças físicas, realizar o acolhimento, divulgar e esclarecer sobre a agenesia e acompanhamento nos procedimentos que proporcionam melhor qualidade de vida, contribuindo na inclusão social.

Neste trabalho,  as campanhas de conscientização fazem a diferença no sentido de combater o preconceito e sensibilizar crianças,  adolescentes e demais setores da sociedade,  com relação ao respeito à diversidade e às diferenças.

A Associação Dar a Mão tem acompanhado com muita alegria a inserção, nas histórias em quadrinhos, de personagens como a Tati, representando a Síndrome de Down; o cadeirante Lucas; a Dorinha, com deficiência visual; o André, menino autista; e o Hamyr, que usa muletas.


É impressionante e admirável o impacto que estes personagens trazem no universo infantil,  em todas as esferas de convivência e interação.

Desse modo, reforçamos o desejo de criação de um personagem representando as crianças que nascem com Agenesia.

Para a formação da personalidade da criança, esta identificação com personagens veiculados socialmente é extremamente positiva e tem resultados benéficos   ainda mais importantes.

Pedimos o apoio do lnstituto Mauricio de Souza neste projeto de conscientização, que visa, também,  celebrar as diferenças.

#AgenesiaNosQuadrinhos!

Pela criação de um personagem de HQ com Agenesia de Membros!

Vote no link abaixo:
https://secure.avaaz.org/po/petition/Instituto_Mauricio_de_Sousa_Agenesia_nos_Quadrinhos/?cuPocmb

Assine e compartilhe!
Dê a mão a esta causa!



- Mais informações:
Petição da Associação Dar a Mão  #Agenesia


Personagens de Inclusão da Turma da Mônica
http://johannaterapeutaocupacional.blogspot.com.br/2011/07/os-personagens-de-inclusao-da-turma-da.html?m=1


Reportagem sobre a Associação Dar a Mão
https://youtu.be/6tmfRHr5e2U


O desenhista Mauricio de Sousa fala sobre a criação de personagens com deficiências
https://vidamaislivre.com.br/especiais/o-desenhista-mauricio-de-sousa-fala-sobre-a-criacao-de-personagens-com-deficiencias/


Inclusão Social na Turma da Mônica
http://turmadamonica.uol.com.br/inclusaosocial/

domingo, 23 de abril de 2017

Vídeo da Música "Era uma vez"

Vídeo da Música "Era uma vez" 

"Campanha de Conscientização das Diferenças de Membros 2017"




PARTICIPANTE DO THE VOICE KIDS GRAVA MÚSICA 
PARA A ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO 

A talentosa Bia Soares, paranaense participante do The Voice Kids (Rede Globo), gravou a música "Era uma vez" em homenagem à ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO - uma entidade sem fins lucrativos que atende crianças e pessoas com agenesia de membros.

A jovem cantora e compositora conheceu a Presidente da ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO, Geane Poteriko, durante uma entrevista no Programa "Direto ao Ponto", de Ogier Buchi, na Rede Mercosul - Record News Paraná, realizada em Curitiba no dia 28 de fevereiro de 2017.

Ao saber do trabalho desenvolvido pela entidade, Bia sensibilizou-se com a causa e aceitou o convite para criar uma melodia à poesia "ERA UMA VEZ", escrita por Geane Poteriko em homenagem à ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO.

A cantora Bia Soares desenvolveu este trabalho musical como voluntária e o belo resultado pode ser ouvido no vídeo da "Campanha de Conscientização das Diferenças de Membros 2017".

A mensagem da música traduz o conceito da solidariedade, amor e ajuda ao próximo que permeia o trabalho da ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO.

Poesia que originou a letra da música:

"ERA UMA VEZ..." 

Uma história, um conto real 
Moldado com amor em missão 
"Era uma vez" que a vida se fez 
Ajudar, amar, DAR A MÃO. 

Ensinamentos e experiências 
Sentimentos e lindas vivências 
Aprendemos solidariedade 
Ensinamos amor de verdade. 

São muitas crianças, bebês, 
Adultos, príncipes, princesas 
Cada um com seu jeito de ser 
Um encanto em realeza. 

Palavras que ganham vida 
Agenesia, síndromes, brida. 
Diagnósticos compartilhados 
Neste "reino" de amor encantado. 

Quem diz o que é mais belo? 
Quem vê por si "diferente"? 
Neste conto o belo é tudo 
O mundo mais consciente. 

Era uma vez... 
Aqui estamos! 
Lutando pela igualdade 
E juntos continuamos 
Em bela fraternidade. 

ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO 
Uma rede de apoio, 
Amor e suporte. 

DAR A MÃO é União: 
"Juntos somos mais fortes". 

- Autora: Geane Poteriko 
- Melodia e Música: Bia Soares 


INFORMAÇÕES

- CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS DE MEMBROS (Limb Difference Awareness Campaign): O Mês de Abril é considerado internacionalmente como o "Mês da Conscientização das Diferenças de Membros".

A ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO desenvolve, no decorrer deste mês, ações nas redes sociais e ambientes online, assim como palestras e mobilizações em todo o país, visando ampliar esta Campanha no Brasil para chamar a atenção sobre as questões das diferenças de membros, respeito e inclusão.

A Campanha utiliza o hashtag:
#NaoSouDiferente #EuFaçoADiferença


ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO - Uma rede de apoio à diferença de membros.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO é destaque em Reportagem da TV Globo - TV Morena/MS

"Tudo que é feito com amor, não é pequeno". 💞
 #TVGlobo - ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO é destaque em Reportagem da TV Globo, TV Morena, de Mato Grosso do Sul. Exibição em 14/04/2017. 

Durante a reportagem, Miguel (5 anos) recebe o presente que tanto esperava: sua mãozinha do Capitão América, feita em impressora 3D pela equipe de voluntários da ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO e entregue gratuitamente à família. 



Veja no link abaixo a reportagem e o texto da matéria. 
http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/crianca-de-5-anos-com-malformacao-em-braco-ganha-mao-de-brinquedo-em-ms.ghtml


Criança de 5 anos com malformação em braço ganha 'mão de brinquedo' em MS


Miguel tem a Síndrome da Brida Amniótica, que resultou na malformação do braço direito.

Com cinco anos, Miguel é uma criança ativa, saudável e muito querida. Miguel tem a Síndrome da Brida Amniótica, que resultou na malformação do bracinho direito, mas ele nem se importa com isso.

Ele mostra como faz para carregar os brinquedos, mesmo sem uma das mãos. “Eu consigo fazer tudo que uma criança de duas mãos consegue fazer”, disse.

E ele até já sabe o que vai ser quando crescer. “Meu maior sonho é ser construtor".

Brincando assim, ele nem imagina que o presente que pediu para os pais, chegou: a mãozinha de brinquedo, como ele chama.

É uma prótese que a família conseguiu com a Associação "Dar a Mão", do Paraná. A associação reúne voluntários para ajudar pessoas com deficiência física, dando orientações médicas, fabricando próteses e acompanhando também o processo de adaptação.

“Cada um tenta ajudar da maneira possível, tem equipe técnica, que faz montagem, impressão 3D, tem os voluntários de psicologia”, conta o engenheiro civil Linarde Pereira.

O Miguel adora o Capitão América. O pedido dele foi que a mão fosse do personagem. E não é que o pedido se realizou?! A prótese é feita de um fio de plástico chamado ABS. Ela é impressa 3D e o acabamento é todo manual.

Já a Maria Valentina tem um aninho. Ela faz parte da associação, mas como ainda é bebê, precisa crescer um pouco mais para ganhar a prótese.

Ela tem a Síndrome de Cornélia de Lange, uma malformação genética rara que atinge uma a cada 62 mil pessoas. Os pais, Joelma Lopes e Aurélio Belo, começaram a pesquisar sobre a doença. Hoje, também fazem parte da associação que leva o nome da síndrome. A associação ajuda pais que passam pela mesma situação.


Os médicos não acreditavam no desenvolvimento da Maria, mas a cada dia, ela surpreende a todos. “Cada mexida dela, cada segurada na chupeta sozinha, é uma vitória, é uma conquista, que só Deus para recompensar tudo que os profissionais fazem por ela”, diz a mãe.

E ela já tá ganhando independência, assim como o Miguel ganhou a dele. Com toda a inocência de uma criança, ele consegue fazer com que todos reflitam sobre o valor da vida.

“Ele me ensinou que a vida é mais fácil do que eu imaginava, que a gente é que complica”, afirma Sirlene Lopes. Apesar de ter uma prótese, o Miguel é a prova de que não é preciso muito para ser feliz.

“Minha mãe falou que meu nome significa, Miguel, a mão direita de Deus, que é essa a mão direita de Deus”, afirmou.

A associação Dar a Mão, que fez a mãozinha do Miguel, precisa de ajuda. É uma associação sem fins lucrativos que atende crianças do país inteiro. O contato é o (43) 99846-9220.

ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO - Uma rede de apoio à diferença de membros

terça-feira, 28 de março de 2017

10 FINALISTAS DO CONCURSO DE DESENHO - 2. edição


II Concurso de Desenho sobre “Igualdade nas Diferenças”
promovido pela ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO


10 FINALISTAS DO CONCURSO DE DESENHO
 CLASSIFICAÇÃO GERAL – 2. edição




Alisson Adriano Santos Furtado - 5 ano A
Professora Neuci Ferreira de Melo Couto
Escola Municipal Monteiro Lobato


Amanda Marques - 5 ano B
Escola Municipal Tancredo Neves


Ana Julia – Pré Escola
Prof Rose - Aula de Artes Prof Tia Carla
CMEI Vovó Barbara


Andrei Nunes da Silva - 5 ano A
Professora Neuci Ferreira de Melo Couto
Escola Municipal Monteiro Lobato


Augusto E Parreira - 5 ano B 
Escola Municipal Tancredo Neves


Clara Queiroz Silva
ASSOCIAÇÃO DAR A MÃO
Cidade: Visconde do Rio Branco – MG


Flávia Carmezim Krassouski - 3 ano A
Escola Municipal Tancredo Neves


Júlia Schuidt Stecanella - 4 ano C
Escola Municipal Tancredo Neves


Matheus - 6 ano
Escola Estadual José de Mattos Leão


Rafael Douglas Silva Nogueira - 3 ano B
Escola Municipal Tancredo Neves


PARTICIPAÇÃO ESPECIAL – HOMENAGEM À ALUNA
Shayne Sá Stecanella – Colégio Estadual Arthur de Azevedo